Sexta-Feira, 19 de Abril de 2019

Prefeito eleito de Cuiabá promete vetar lei que reajusta salários de vereadores




COMPARTILHE

O prefeito eleito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), anunciou em seu perfil na rede social Facebook que vai vetar o projeto de lei aprovada pela Câmara Municipal que reajusta o seu salário de R$ 17 mil para R$ 23 mil e do vice-prefeito de R$ 12,750 mil para R$ 17 mil.

De acordo com o peemedebista, é inconcebível que seja concedido aumento salarial a agentes políticos em um momento de crise econômica no país, o que tem motivado os entes federados, município, Estado e União, a adotar medidas de contenção de despesas.

“Como gestor terei que adotar medidas austeras para o controle de gastos. Não seria coerente da minha parte promover um rígido ajuste fiscal e permitir o aumento do meu próprio salário. Vou vetar o projeto. É a decisão”, diz um dos trechos.

Em sessão extraordinária realizada na manhã desta terça-feira (27), a Câmara Municipal de Cuiabá aprovou por 14 votos a 7 aumento de 25% no salário do prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Por isso, o salário dos vereadores de Cuiabá sai de R$ 15,3 mil para R$ 18,975 mil. Cada vereador ainda tem direito a uma verba indenizatória mensal que corresponde a 60% do salário, saltando assim dos atuais R$ 9 mil para R$ 11,385 mil, e mais uma verba indenizatória de R$ 17 mil para custear despesas de funcionários de gabinete contratados sem a necessidade de concurso público.

Assim, o custo mensal de cada vereador será de R$ 47,360 mil. Como são 25 parlamentares em Cuiabá as despesas serão de R$ 1,184 milhão.

Anualmente, levando-se em consideração o pagamento do 13º salário, será R$ 15,392 milhões. Em quatro anos, custarão R$ 61,568 milhões aos cofres públicos.

 


Autor:Rafael Costa com Gazeta Digital


Comentários

Notice: Undefined index: envio in /home/jornalda/public_html/2018/noticia.php on line 212
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Notícia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Jornal da Noticia

<