Domingo, 25 de Agosto de 2019

Conheça a história do aeroporto para discos voadores em Barra do Garças




COMPARTILHE

Os constantes relatos sobre objetos voadores não identificados, em Barra do Garças (509 km a Leste de Cuiabá), fizeram com que o então vereador do Município, Valdon Varjão, já falecido, decidisse criar um local destinado a possíveis pousos de discos voadores.

O decreto sobre a criação do lugar, intitulado Discoporto, foi assinado em setembro de 1995, após ser aprovado por unanimidade na Câmara do Município.

Classificada por muitos como loucura, a criação inusitada teve repercussão em todo o País e até mesmo internacional. A novidade, que era motivo de chacota, juntou-se a outros atrativos turísticos do Município — como cachoeiras, o mirante do Cristo e serras consideradas místicas — e tornou-se um dos cartões de visitas de Barra do Garças.

O Discoporto foi criado em uma parte do Parque Estadual da Serra Azul, que possui 11 mil hectares, em uma área onde eram praticados treinamentos de motocross.

O lugar foi liberado pela direção do parque. No local, em meio a céu aberto, há uma espécie de réplica de um disco voador, feita com duas antenas parabólicas, a imagem de um extraterrestre e também um painel com a reprodução de um objeto voador e de um ET, onde há espaço para as pessoas colocarem a cabeça para que possam ser fotografadas.

Conforme a Prefeitura do Município, os recursos para os itens do Discoporto foram doados por Varjão, que concedeu duas antenas parabólicas de sua empresa, além dos outros objetos. Segundo a Secretaria de Turismo de Barra do Garças, não houve emprego de dinheiro público.

Além dos relatos sobre as constantes aparições de objetos não identificados no céu de Barra do Garças, outro motivo que também fez com que o então vereador criasse o aeroporto foi o turismo ufológico do Município. Em razão de outras diversas manifestações e fenômenos considerados estranhos, a cidade recebe, há décadas, diversas pessoas e eventos sobre ufologia e outros fenômenos.

Em entrevista ao apresentador Jô Soares, em 1995, logo após o projeto de criação do Discoporto ser aprovado na Câmara do Município, Valdon Varjão contou que tinha esperanças de que um dia o local fosse visitado por extraterrestres.

"Todo homem que lê sabe que estamos chegando às vésperas de ter contato com seres de outros planetas. Mas não acredito que isso aconteça neste milênio nem no vindouro”, comentou. 

O então parlamentar explicou que o Discoporto era uma obra visionária, com o objetivo de facilitar o futuro. “Essas aparições [de supostos discos voadores] nos levou a nos preocupar com que Barra do Garças tenha uma reserva futura, para que não fique à margem de coisas que possam ocorrer no terceiro milênio”.

Varjão, que chegou a ser senador por Mato Grosso, é considerado uma das figuras mais importantes para a história do Município. Morto em 2008, ele nunca realizou o sonho de ver um objeto não identificado sobrevoando o céu de Barra do Garças.

"Não tive essa felicidade de ver um disco voador, mas algumas pessoas já viram na minha região. São pessoas de crédito, às quais eu reputo uma palavra sincera”, divertiu-se, durante a entrevista a Jô Soares.

Apesar de ser considerada uma ideia inusitada, o parlamentar não acreditava que a criação do aeroporto para discos voadores fosse insanidade. "O público acha graça e pensa que é loucura, mas não é”.

Progresso no turismo

A criação do aeroporto e a repercussão causada por ele fomentaram o turismo na região de Barra do Garças. O biólogo e guia turístico da secretaria de Turismo do Município, Fernando Penteado, contou que o local, que passou a receber visitas no fim de 1995, despertou muito interesse.

“Muita gente queria conhecer o Discoporto, por isso aumentou a quantidade de turistas aqui. Tinha gente que vinha de outros países para conhecer o lugar”, relatou.

O aumento no turismo de Barra do Garças, após a inauguração do Discoporto, chegou a chamar a atenção de uma agência de publicidade de São Paulo, que se interessou pela criatividade de Valdon Varjão. “A empresa o procurou e queria contratá-lo, por conta do sucesso do Discoporto e da grande divulgação que teve. Mas a gente explicou que o Varjão já tinha certa idade e não se interessaria”.

Conforme a secretária de Turismo de Barra do Garças, Mônica Porto, o Parque Estadual Serra Azul tornou-se uma das maiores atrações da cidade. No local, além do Discoporto, também há diversas trilhas, cachoeiras, além do mirante de Cristo e uma pedra que proporciona a vista de todo o Município.

“O parque era um dos lugares mais visitado de Barra do Garças e sua importância se deve à sua localização dentro da cidade e a seus inúmeros atrativos naturais”, comentou. Na época, estimava-se que o local recebia de 300 a 400 visitantes por dia.

Apesar do aumento no turismo e de pessoas que chegaram a ir ao Município somente para conhecer o Discoporto, na expectativa de presenciar um possível fenômeno extraterrestre, Fernando Penteado frisou que nunca houve nenhum registro sobre suposta presença de objeto não identificado no entorno do aeroporto.

“No Discoporto, especificamente, não houve nenhum relato, porque é uma área do parque que fica fechada à noite, quando normalmente são vistos os objetos não identificados”.

No entanto, em outras regiões de Barra do Garças, considerada uma cidade mística, ainda são relatados casos de supostos discos voadores.

“Tem relatos de pessoas que viam nos quintais. Há uma filmagem, feita em uma inauguração, em que é possível ver uma luz sobrevoando o evento. Tem relatos de pessoas que viram luzes dentro de casa. Isso é comum até hoje. É normal as pessoas visualizarem esse tipo de luz diferente”.

As histórias de extraterrestres são consideradas tão relevantes para o Município que no ano passado passou a ser comemorado o Dia do ET, em todo segundo domingo de julho. A data foi instituída a partir de projeto de Lei de autoria do vereador Weliton Andrade, o Mandioquinha (PDT). A Lei foi sancionada pelo prefeito Roberto Farias (PMDB), em novembro de 2015.

Fechamento do parque

Mesmo sendo considerado uma das mais importantes atrações turísticas de Barra do Garças, o Discoporto não recebe visitantes desde o fim de agosto de 2014. O motivo para o fechamento do local foi um incêndio que queimou 80% da cobertura vegetal do Parque Estadual da Serra Azul.

Em razão do incidente, o Ministério Público Estadual (MPE) emitiu uma ação recomendatória para que o local permanecesse fechado.

O MPE argumentou que não havia condições de manter a conservação do parque para uso público, nem para proteção da biodiversidade. Desde então, o lugar foi fechado para visitação e, atualmente, funciona somente para a realização de aulas de campo e pesquisas.

Conforme a secretária de Turismo do Município, o fechamento do parque trouxe consequências negativas ao município.

“O impacto no turismo do município foi extremamente negativo. Muitos turistas vinham para cá com a expectativa de visitação, sem saber que ele estava fechado, e isso acabou gerando muitas reclamações, na secretaria, nos hotéis e em outros pontos”.

Apesar de lamentar o fechamento do parque, ela comentou que o município possui outros atrativos turísticos e tem tido bom desempenho nos últimos anos. “Não temos pesquisas oficiais, mas o que se constata é que a taxa de ocupação hoteleira nos eventos do calendário oficial tem sido alta. Em julho, na temporada de praias, os hotéis estavam sem vagas, o Parque das Águas Quentes do Município bateu recordes de visitação e os voos para cá estavam todos lotados”, pontuou.

Reabertura do Serra Azul

Depois de quase três anos fechado, a expectativa é de que o Parque Estadual da Serra Azul seja reaberto para visitação no fim deste ano. No local, desde abril deste ano estão sendo realizadas obras de readequação para que o público possa voltar a frequentar a área.

Os recursos para as obras são oriundos de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre o Ministério Público Estadual (MPE) e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). O acordo prevê que sejam destinados, ao longo de quatro anos, R$ 1,250 milhão ao parque, para readequação e gestão do espaço.

O valor que será destinado ao Serra Azul é oriundo de duas multas pagas à Justiça. Uma delas aplicada à JBS, em razão de danos ambientais em Barra do Garças, e outra a uma empresa de loteamentos, em uma ação indenizatória em decorrência de licenciamento ambiental no Município.

Conforme a analista de Meio Ambiente da Sema e gerente regional do parque, Christiane Schnepfleitner, as obras estão seguindo o cronograma inicial e o parque deverá ser reaberto até dezembro deste ano.

“A reabertura é o anseio da Sema, da gerencia regional e da comunidade, pois o parque precisa ser usado pelo público. A gente precisa que a sociedade esteja vivenciando o parque, para que conheçam e possam dar importância ao local”, frisou.

Desde que o parque foi fechado, o Discoporto não recebeu mais visitantes. Segundo o guia turístico Fernando Penteado, que faz vistorias sazonais no local, o aeroporto para discos voadores permanece em bom estado de conservação. Porém, em caso de reabertura do parque, ele revelou que os materiais precisarão passar por melhorias.

“Depois que o parque foi fechado, ele [Discoporto] não recebeu manutenção, mas não estragou muito, permanece conservado. O material dele é metálico, então aguenta bastante. Ainda é um espaço interessante, não se percebe uma degradação muito grande. Mas quando for reaberto, é importante que seja feita uma reforma nele”, disse. 

Ele detalhou que há um projeto para um novo Discoporto, que ainda não tem previsão para ser iniciado. “Essa ideia não será contemplada agora, na reabertura do parque. Mas ela prevê que toda a estrutura do Discoporto seja substituída e seja feita uma construção de alvenaria, além de outras inovações. É uma proposta antiga, que já foi discutida pela Prefeitura, que tem vontade de fazer, mas também depende do Governo. Por enquanto, não há nada certo sobre isso”.

Enquanto não é reaberto e os projetos de revitalização permanecem indefinidos, o Discoporto segue sem visitantes humanos nem extraterrestres, ao menos até onde se tem relatos.


Autor:AMZ Noticias com Midia News


Comentários

Notice: Undefined index: envio in /home/jornalda/public_html/2018/noticia.php on line 212
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Notícia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Jornal da Noticia

<