Segunda-Feira, 20 de Janeiro de 2020

Bruna Viola arrebata o Grammy Latino cantando musica sertaneja raiz




COMPARTILHE

O DC Ilustrado apostou e ganhou. Exilada em sua própria terra, a cidade de Cuiabá, onde ninguém a convida para nada, a jovem cantora Bruna Viola ganhou, na noite desta quinta-feira (16), em festa que aconteceu na cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos, o Grammy Latino, na categoria de Melhor Álbum de Raízes Brasileiras, com "Melodias do Sertão". O show do disco ainda não foi apresentado na capital do Mato Grosso.

Em postagem feita no Instagram logo assim que foi escolhida pelo Grammy, Bruna Viola comemorou o prêmio e disse que “não acreditava” no que estava acontecendo. "Ainda não estou acreditando em tudo isso que está acontecendo. Ganhei meu mundão, meu álbum Melodias do Sertão ganhou o prêmio de melhor álbum de música de raízes brasileiras do Grammy", vibrou a jovem cantora.

Sim, como já escrevi aqui, santo de casa não faz milagre em casa, mas brilha em outras regiões. O público cuiabano ainda não teve o prazer de ver Bruna Villas Boas Kamphorst, a Bruna Viola, se apresentando como atração da Expoagro, em Cuiabá, por exemplo. Mas o sucesso da garota pelo mundo afora segue em um crescendo irresistível. Depois do Brasil, Bruna agora, ao que se prenuncia, se prepara para conquistar todo o mundo.

Dirigido por Marcelo Amiky e com produção de Paul Ralphes, "Melodias do Sertão" disputou o Grammy com Patrícia Bastos, Pinduca, Trio Nordestino, Yangos e Vários Artistas. Os sucessos Flor Matogrossense, Tô Fazendo Falta e o clássico “Rio de Lágrimas”, de Tião Carreiro & Pardinho, em que Bruna ganha companhia da dupla César Menotti & Fabiano, e mais 11 canções, fazem parte do álbum premiado. Linda Flor Mato-grossense é uma música que destaca a garra e a beleza da própria Bruna Viola.

Bruna Viola tem 24 anos, nasceu aqui mesmo em Cuiabá, Mato Grosso, na região do Coxipó, no dia 25 de maio de 1993, e começou na música aos 11 anos. E, vejam só, começou cantando justamente na Expoagro, como uma menininha desconhecida, em meio ao show de outros artistas, conforme relatou neste DC Ilustrado. Apaixonada pela viola caipira, adotou o instrumento como seu sobrenome artístico e vai conquistando o mundo com a suave sonoridade do sertão, fazendo do compositor tradicionalista Tião Carreiro - cuja imagem ela mantém tatuada no próprio corpo - sua maior referência artística e musical.

“Melodias do Sertão tem um significado muito especial para mim, ele tem a minha cara, o meu jeito. Que alegria poder representar a música sertaneja em um dos maiores eventos de premiação da música. Tô chegando brutaiada, me aguardem!”, declarou a Bruna, assim que soube de sua indicação para o Grammy, em tom profético. Agora a festa é toda dela. Agora é esperar que Mato Grosso e Cuiabá resgatem a sua dívida para com esta bela sertaneja premiada.

 


Autor:AMZ Noticias com Diario de Cuiaba


Comentários
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Noticia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias

<