Quarta-Feira, 30 de Setembro de 2020

Família da ex-primeira dama de MT, Isabel Campos divulga nota após o seu falecimento




COMPARTILHE

Familiares da ex-primeira dama do Estado, professora Isabel Campos, emitiram uma nota à imprensa, após sua morte, aos 66 anos. Isabel Campos foi vítima de um câncer no pulmão. Seu falecimento foi registrado no final da tarde deste sábado, no hospital Santa Rosa.
Conforme o hospital, seu estado de saúde era gravíssimo após o avanço da doença à fase de metástase. O câncer teve início há sete anos, no útero e se espalhou nos últimos meses. No entanto, a ex-primeira dama manteve-se consciente durante todo o tratamento, segundo os médicos.Os familiares ainda não divulgaram horário e local do velório.
Confira a íntegra da nota emitida pelos familiares de Isabel Campos:
"A ex-primeira dama do Estado de Mato Grosso e de Várzea Grande Isabel Pinto de Campos, faleceu hoje ( 01), em Cuiabá, aos 66 anos. A professora Isabel Campos foi uma das mais importantes e respeitadas figuras da política mato-grossense, a partir da década de 70 do século passado, ao lado de seu marido, o hoje deputado federal Júlio Campos.
Desde 2005, ela vinha se tratando de um câncer que inicialmente atingiu o ovário e depois espalhou-se por outros órgãos. Neste período esteve internada em hospitais de Cuiabá e também no Albert Einstein, em São Paulo, onde submeteu-se a várias cirurgias e dezenas de sessões de quimioterapia radioterapia. Sua garra e vontade de viver permitiu que convivesse com a doença por sete anos. Segundo alguns médicos, o tipo de câncer a que ela foi acometida, estima o tempo de vida entre três a quatro anos.
Na semana passada seu estado se agravou e na quarta-feira (21), foi internada novamente no Hospital Santa Rosa, onde faleceu. No início da semana, os médicos que a assistiram, reuniram-se com o marido da professora, o deputado federal Júlio Campos, as três filhas e o filho, além de três irmãs dela, para comunicarem o agravamento do estado de saúde e a irreversibilidade do caso.
A professora Isabel Campos, carinhosamente também conhecida como Loló, nasceu em Cuiabá, no dia 09 de outubro de 1946. Aos cinco anos ficou órfã de sua mãe Escolástica Coelho Pinto. Com a morte da mãe, seu pai José Pinto, comerciante do bairro do Porto, internou-a juntamente com outras três das quatro irmãs, no Asilo e Orfanato Imaculada Conceição, em Poconé e posteriormente no Colégio Imaculada Conceição em Cáceres, onde fez os cursos primário e secundário.
Retornou a Cuiabá onde concluiu o curso Normal-Magistério, no Colégio Coração de Jesus. Formou-se em Letras pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras que viria ser um dos embriões da Universidade Federal de Mato Grosso, da qual foi uma das fundadoras, conselheira e se aposentou como professora. Paralelamente ao curso de Letras, montou em um galpão ao lado do ‘bolicho’ de seu pai, uma pequena escola que deu o nome de Santa Isabel. Pelos bancos dessa escola passaram figuras que vieram a se tornar proeminentes na vida mato-grossense.
Entre 80 e 81 fez mestrado na UnB. Defendeu tese de mestrado sobre Literatura Mato-grossense.Em 1973, quando exercia o cargo de delegada de ensino de Mato Grosso, foi convidada pelo então prefeito de Várzea Grande, Júlio Campos, para assumir a Secretaria Municipal de Educação. Seu espírito de liderança e trabalho despertaram a atenção do jovem e solteiro prefeito.Casaram-se no final de dezembro de 1975. Da união nasceram quatrofilhos Laura, Consuelo, Júlio Neto e Silvia.
Sempre afirmava que já tinha conseguido tudo que a vida podia dar como mãe e mulher. Que a família que possuía era um sonho; uma graça divina. Afinal, um marido como Julio campos não era para qualquer uma. Idolatrava os filhos, principalmente quando ligavam quando estavam morando fora. Parava o que estava fazendo para atendê-los e sempre orientava os funcionários “Não estou para ninguém, só para meus filhos”. A sua maior preocupação era que fossem educados e obedientes. Com orgulho afirmava que conseguiu isso. Sobre dona Amália, sua sogra, tinha uma definição simples e direta: uma segunda mãe para mim.
Durante mais de 30 anos participou ativamente das campanhas eleitorais do marido, começando pela de 1978, quando Júlio Campos foi eleito proporcionalmente o deputado federal mais votado da História de Mato Grosso. Em 1982 foi a principal coordenadora da campanha eleitoral que resultou na vitória de Júlio Campos ao Governo do Estado. Há quem aponte a professora Isabel Campos, pela sua participação intensiva naquela campanha, o diferencial que garantiu a vitoria sobre o padre Raimundo Pombo, candidato pelo PMDB.
Com a posse de Júlio Campos, Isabel Campos assumiu a presidência da Fundação de Promoção Social-ProSol, onde ficou de 1983 a 1986. Mesmo à frente da instituição, continuou por algum tempo dando aulas na Universidade Federal de Mato Grosso. Tendo como base a célebre frase do filósofo chinês Confúcio, de ‘ensinar a pescar e não dar o peixe’, deixou em segundo plano na ProSol, o mero assistencialismo paternalista e implantou arrojados programas de promoção e assistência social, saúde, geração e aumento de renda de famílias carentes, planejamento familiar e habitação. Mais do que trabalho, pedia aos seus funcionários que usassem de criatividade nos projetos, maximizando resultados e reduzindo custos.
Na sua gestão, através do Projeto João de Barro, foram construídas emvários municípios, centenas de casas populares. No ano de 1985, implantou o Loteamento Popular Osmar Cabral, que deu origem ao bairro com o mesmo nome, na região Sul de Cuiabá. Em praticamente todos os municípios mato-grossenses deixou a marca e sua filosofia de trabalho.
Ela participou ainda das campanhas de Júlio Campos à Assembleia Nacional Constituinte, em 86; ao Senado, em 90 e na derrota para Dante de Oliveira ao governo estadual, em 1998. Em 2008, já debilitada pela doença, ajudou como pôde na tentativa de Júlio Campos em voltar à Prefeitura de Várzea Grande. Pouco podendo participar de comícios, de passeatas, ou caminhadas, realizou em sua residência dezenas de reuniões com candidatos,a vereador, lideranças comunitárias e de classes. Sua última particpação eleitoral foi em 2010, apenas através de telefonemas e cartas, onde ajudou Julio Campos a voltar à Câmara dos Deputados pela terceira vez.
Paixão pela comunicação
Em sua vida Isabel Campos recebeu dezenas de títulos de cidadania debenemérita, menções honrosas e condecorações, mas gostava mesmo é do título de ‘Professora’, com o qual queria e pedia para ser tratada. Além das salas de aula e dos livros, Isabel Campos tinha uma grande paixão pela comunicação. Desde a década de 80 do século passado, ela participou de importantes projetos na área de comunicação em Mato Grosso.Em 1982, participou da implantação e inauguração da Rádio Industrial AM, a primeira de Várzea Grande.
Já em 1989 comandou a reestruturação e modernização do jornal O Estado de Mato Grosso, tornando-o primeiro a ser impresso pelo sistema off set e em cores. Sob sua direção, em 1992, a TV Brasil Oeste tornou-se a primeira emissora a transmitir via satélite para todo Mato Grosso.
Nos últimos 2 anos, devido ao tratamento com quimioterapias, não podia ir diariamente a TV Brasil Oeste ou a Rádio Industrial AM mas, mesmo de casa, dirigia as duas empresas, orientando e dando as diretrizes para os coordenadores do dia a dia das emissoras. No início de 2010, orientou de perto a reestruturação da Rádio Industrial AM, tomando as decisões finais e cobrando os resultados. Acompanhou toda a concepção, criação e implantação do Jornal da Tarde na TV Brasil Oeste".

 


Autor: Rosangela Mendes


Comentários
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Noticia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias