Sábado, 21 de Setembro de 2019

Pará planeja que até 2023, estado conquiste o status de Livre de Aftosa sem Vacinação




COMPARTILHE

Novembro é mês de vacinação contra a febre aftosa. A imunização teve início no último dia 1° e segue até o próximo dia 30. De acordo com a fiscal estadual da Adepará, em Redenção, Ana Léa Moreira Busquetti, a vacina do rebanho é importante porque garante que o Pará continue com a classificação de “Área Livre de Aftosa com Vacinação”.

“Portanto, queremos contar com o apoio do produtor rural de Redenção e de todo o Estado do Pará, recomendado que ele vacine seu rebanho”, para que isso aconteça a Adepará espera que até 2023 o Estado seja classificado como “Livre de Aftosa sem Vacinação”, o que possibilitará a abertura de mercados e oportunidades para o Estado. Além disso, o produtor também não vai ter mais gastos com vacinação, podendo utilizar esse recurso para gerar mais lucro para ele.

O produtor que não vacinar o rebanho durante o prazo determinado e não comparecer a Adepará para comprovar a vacina terá algumas sanções. “Graças a Deus, nossos produtores rurais têm contribuído. O número de inadimplentes é pequeno, isso significa que eles sabem da importância da vacina contra a aftosa” concluiu. O rebanho que precisa ser vacinado é o que reúne animais na faixa etária de 0 a 24meses. Porém, mesmo que o produtor não tenha esses animais com essa idade, é importante que compareça à Adepará para atualizar o cadastro. Ana Lea finalizou dizendo que cada produtor deve fazer a notificação no município de origem.


Autor:AMZ Noticias com Dinho Santos


Comentários

Notice: Undefined index: envio in /home/jornalda/public_html/2018/noticia.php on line 212
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Notícia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Jornal da Noticia

<