Domingo, 17 de Outubro de 2021

População de Mato Grosso continua crescendo e estado chega a marca de 3.567.234 habitantes




COMPARTILHE

A população mato-grossense chegou a 3.567.234 habitantes em 1º de julho deste ano. Com esse número concentra somente 1,7% do total de brasileiros, que na mesma data, eram de 213,3 milhões de pessoas, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No ano passado, o Brasil tinha 211,7 milhões de habitantes. Os efeitos da pandemia da Covid-19 no efetivo populacional não foram incorporados nesta projeção.

Atualmente, Mato Grosso é o 16º maior do país. Comparado ao ano anterior, quando a estimativa era de 3.526.220 mato-grossenses, o Estado ganhou 41.014 novos residentes, representando um crescimento de 1,16%. Esse percentual estadual está acima do nacional que é de 0,74%. Os dados foram publicados na edição de ontem (27) do Diário Oficial da União (DOU).

Já os cinco municípios mato-grossenses mais populosos são Cuiabá (623.614); Várzea Grande (290.383), Rondonópolis (239.613), Sinop (148.960) e Tangará da Serra (107.631). Somente na Região Metropolitana (RM) denominada “Vale do Rio Cuiabá” residem 1.060.073 indivíduos.

Os menores são Araguainha (909); Ponte Branca (1.525); Serra Nova Dourada (1.705); Luciara (2.036); e Ribeirãozinho (2.439). Para se ter uma ideia desse incremento, em 2020, a população cuiabana era de 618.124. a várzea-grandense de 287.526 e a rondonopolitana de 236.042.

Em nível nacional, a estimativa do IBGE mostra que os estados mais populosos são: São Paulo (46,65 milhões), Minas Gerais (21,41 milhões) e o Rio de Janeiro (17,46 milhões). O país tem três estados com menos de 1 milhão de habitantes: Roraima (652,7 mil), Amapá (877,6 mil) e Acre (906,9 mil).

Dentre as unidades do centro-oeste, Mato Grosso é segundo mais populoso ficando atrás somente de Goiás com 7.206.589 pessoas, o que corresponde a 3,4% do total nacional. No Distrito Federal são 3.094.325 (1,5%) e no vizinho Mato Grosso do Sul são 2.839.188 (1,3%).

O município de São Paulo continua sendo o mais populoso, com 12,4 milhões de habitantes, seguido pelo Rio de Janeiro (6,8 milhões), Brasília (3,1 milhões) e Salvador (2,9 milhões). Os 17 municípios do país com população superior a um milhão de habitantes concentram 21,9% da população brasileira, ou 46,7 milhões de pessoas.

Na última década, segundo o IBGE, as estimativas da população dos municípios mostraram um aumento gradativo na quantidade de grandes cidades do país. “No Censo de 2010, somente 38 municípios tinham população superior a 500 mil habitantes, e apenas 15 deles tinham mais de 1 milhão de moradores. Já em 2021, eram 49 os municípios brasileiros com mais de 500 mil habitantes e 17 com mais de 1 milhão”, informou.

As estimativas populacionais municipais são um dos parâmetros utilizados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para o cálculo do Fundo de Participação de Estados e Municípios e são referência para vários indicadores sociais, econômicos e demográficos. Esta divulgação anual obedece ao artigo 102 da Lei nº 8.443/1992 e à Lei complementar nº 143/2013.

As populações dos municípios foram estimadas por procedimento matemático e são o resultado da distribuição das populações dos estados, projetadas por métodos demográficos, entre seus diversos municípios. O método baseia-se na projeção da população estadual e na tendência de crescimento dos municípios, delineada pelas populações municipais captadas nos dois últimos Censos Demográficos (2000 e 2010) e ajustadas. As estimativas municipais também incorporam alterações de limites territoriais municipais ocorridas após 2010.

PANDEMIA - Os efeitos da pandemia da Covid-19 no efetivo populacional não foram incorporados nesta projeção, devido à ausência de novos dados de migração, além da necessidade de consolidação dos dados de mortalidade e fecundidade, fundamentais para se compreender a dinâmica demográfica como um todo.

De acordo com o IBGE, o Censo Demográfico 2022 trará não somente uma atualização dos contingentes populacionais, como também subsidiará as futuras projeções populacionais, fundamentais para compreender as implicações da pandemia sobre a população em curto, médio e longo prazo.


Autor: AMZ Noticias com Diário de Cuiabá


Comentários
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Noticia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias