Sábado, 14 de Dezembro de 2019

Em ato do PTB, Luiz Pagot critica Silval Barbosa e Serys reforça o evento




COMPARTILHE

O primeiro encontro regional do PTB, realizado em Campo Verde (a 140 km de Cuiabá) nesta sexta (7), foi marcado por críticas ao governo Silval Barbosa (PMDB) e o “lançamento” do ex-diretor-geral do Dnit, Luiz Antônio Pagot, como pré-candidato ao Governo nas eleições de 2014. A sigla ainda aproveitou para reforçar o convite para a ex-senadora Serys – presente no evento – a se filiar na agremiação.

 Um dos presentes, o prefeito de Ipiranga do Norte, Pedro Ferronato (PTB), não economizou nas críticas a Silval, além de comparar o mandato do peemedebista com o de Blairo Maggi (PR). Por diversas vezes, durante seu discurso, disse que na época do republicano não era comum a desigualdade social. Ferronato ainda foi além, dizendo, em alto e bom tom, que o Estado está utilizando a secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) para desviar recursos.

“Hoje R$ 2 bilhões que estão sendo aplicados na Copa poderiam ser investidos em infraestrutura. A Copa tem o dinheiro dela, tem a Caixa Econômica Federal que está financiando o VLT”.

Mesmo que discretamente, o ex-prefeito de Cuiabá, Chico Galindo (PTB), também alfinetou o governador. Ele frisou que não quer um Governo onde não é repassado recurso do Fethab para rodovias. “Cadê esse dinheiro, onde está? É um Governo que corta 50% de recursos da Saúde”, indagou Galindo. Quem também “atacou” o governo Silval foi o vereador por Cuiabá, Dilemário Alencar (PTB). Ele, além da Saúde, citou problemas relacionados à Educação, dizendo que quando Pagot foi secretário estadual era diferente. “Você [Pagot] negociava com os trabalhadores da educação, mas agora a educação está parada, está ruim”.

Apesar de dizer que não queria fazer críticas, Pagot disse que os recursos do Governo do Estado não chegam às pontas. Para ele é preciso fazer um resgate do que deixou de ser feito para a população. “Cadê esse recurso que não chega para melhorar a vida das pessoas? Do Fethab seriam 70% para estradas e 30 % para habitação”, pontuou. Para o mais novo petebista, não adianta apenas criticar. “Temos que ter uma resposta como partido. Nos próximos dias, em Tangará da Serra, vamos defender políticas públicas”.

Em defesa de Pagot, Osvaldo Sobrinho – que já foi vice-governador de Mato Grosso e atualmente é suplente do senador Jayme Campos (DEM) – disse que a saída do ex-secretário do órgão, não passou de armação. Ele, contudo, não deu nome nem entrou em detalhes. “Nunca vi ninguém com a vontade e seriedade de trabalho do Pagot. Armaram contra ele, contra Mato Grosso e Brasil”, disse.

A ex-senadora também defendeu Pagot e criticou a decisão da presidente Dilma Rousseff (PT) de demití-lo do Dnit. Serys ainda revelou que passou a ser uma das pessoas que mais respeita Pagot.

“Ele deu um grande chute ao gol quando cuidou da infraestrutura deste país no cargo de diretor do Dnit, mas infelizmente saiu. Foi um erro fatal da presidente ao tirá-lo de lá. Esse prejuízo o Brasil sofreu. Precisamos de gente que sabe fazer e faz acontecer. Pagot, eu realmente tenho uma admiração por você”.

Quanto a candidatura de 2014, Galindo ressaltou que o PTB deixará de ser coadjuvante, como tem sido nos últimos pleitos. O ex-prefeito frisou que 2014 é o ano da agremiação, que tentará emplacar nomes na Câmara e Senado. “Agora vamos discutir quem queremos que governe Mato Grosso. Chegou nossa hora”, detalhou.

Os integrantes do PTB não esconderam o desejo de ter a ex-senadora Serys no partido. A intenção é que ela saia como candidata ao Senado. Elogios para a ex-petista, que compôs a mesa, não faltaram. O prefeito de Campo Novo, Fábio Schoeter (PTB), por exemplo, disse que Serys é do PT brasileiro, fazendo um trocadilho com o PT, onde ela foi filiada por muitos anos e se elegeu deputada federal e senadora. A declaração do gestor, é claro, arrancou gargalhada dos presentes.

O que não faltou durante o convite de filiação foi ‘brincadeira’. Osvaldo Sobrinho, por exemplo, brincou com a letra de uma música da dupla sertaneja, Bruno e Marrone. “Do jeito que você me olha vai dar namoro”, soltou o suplente de senador à Serys. A ex-senadora, por sua vez, não disse se aceitaria o convite da agremiação.

Este é o segundo evento em que ela marca presença. Serys teceu elogios ao partido e disse conhecer o histórico do PTB. Ganhou aplausos de vereadores presentes quando disse que não é no governador em que o povo chega e, sim, no município onde os maiores problemas estão. “É preciso respeitar os vereadores, prefeito e vice. É preciso descentralizar o Poder”.

O PTB elegeu em 2012, no Estado, 44 vereadores e dois prefeitos – Campo Novo e Ipiranga do Norte. Entre os presentes no primeiro encontro regional estavam os vereadores por Cuiabá Dilemário Alencar e Leonardo de Oliveira, além do secretário municipal da Capital, Lamartine Godoy. 

Silval está desconstruindo as ações realizadas por Maggi, dispara Pagot

Em um discurso de pré-candidato ao governo no ano que vem, o ex-diretor-geral do Dnit Luiz Antônio Pagot (PTB) atacou, durante o primeiro encontro regional do PTB, nesta sexta (7) em Campo Verde (140 km de Cuiabá), o “Estado abandonado” de Mato Grosso pela gestão Silval Barbosa (PMDB). Para Pagot, o que foi construído na administração do aliado e amigo, senador Blairo Maggi (PR) está em desconstrução pelo chefe do Palácio Paiaguás. “Passei na região Oeste, onde tem um monte de deputados estaduais, deputado federal, região de 14 municípios, e o que se ouvia era: as últimas obras foram vocês que fizeram”, afirmou o novo petebista.

Ele lembrou que, na época da primeira gestão de Maggi, quando ocupava a ‘poderosa’ secretaria estadual de Infraestrutura (Sinfra), o Governo fazia parcerias para levar pavimentação. O recém-filiado citou a “Parceria Público-Privada”, PPP Caipira, onde os municípios e produtores se organizavam em associações para construir rodovias e o Governo entrava com projetos e execução de obras como contrapartida, no que ele chamou de compartilhar tarefas. “Construímos no Governo Blairo Maggi 1,1 mil pontes, gastando apenas 30% dos recursos necessários, e os demais com recursos da sociedade, de forma compartilhada”, detalhou.

Pagot afirmou também que, na administração compartilhada, o governo sempre ouvia as reivindicações da população. O pré-candidato a majoritária do PTB ainda disse que o desenvolvimento e a grande maioria da infraestrutura construída em Mato Grosso, como pavimentação, pontes e construção de casas com recursos do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab), foram feitas com a mobilização do povo.

Como uma fórmula de solução, para mudar a situação criticada por ele e os demais petebistas, Pagot pediu união do partido para se organizar e enfrentar o governo Silval na disputa do ano que vem. Na opinião dele, o Governo tem feito uso errado do Fethab e concentrado verba em Cuiabá para obras da Copa, sem investir nos municípios. Suas críticas se referem ao fato da gestão ter recursos do Governo Federal para fazer estas obras e, mesmo assim, utilizar verba do fundo - destinado a pavimentação de rodovias - na Secopa.


Autor:RDNews


Comentários
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Notícia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Jornal da Noticia

<