Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020

Procurador Geral defende promotores em lista da Ararath e rechaça tentativa de intimidação




COMPARTILHE

Em entrevista coletiva realizada nesta terça-feira (27), o procurador-geral de Justiça, Paulo Roberto Jorge do Prado, saiu em defesa do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e rechaçou qualquer tentativa de intimidação aos membros da instituição.

Esclareceu que a lista apresentada pela Polícia Federal e Ministério Público Federal contendo nomes de procuradores e promotores de Justiça que, supostamente teria sido apreendida em mandado de busca e apreensão na residência do ex-secretário de Fazenda Éder Moraes, refere-se a pagamentos de cartas de créditos de origem lícita.

“Não posso admitir que pessoas sérias que trabalham no Ministério Público há mais de 20 anos, em defesa da sociedade mato-grossense, tenham seus nomes, de forma leviana e irresponsável, jogados na lama. Não vou permitir que o Ministério Público seja tachado como uma instituição criminosa”, afirmou o procurador-geral de Justiça.

Prado explicou que as cartas de crédito foram pagas aos procuradores e promotores de Justiça que possuíam direitos trabalhistas. As negociações foram feitas com deságios de mais de 25% e o pagamento foi parcelado em 12 vezes, sem correção monetária. “Cada membro, cujo nome foi colocado nessa lista, tinha direitos trabalhistas a receber e como o Estado não tinha condições de pagar, recorremos ao mercado, tivemos prejuízos, e agora ainda somos tachados de criminosos”, repudiou.

O procurador-geral de Justiça aproveitou a oportunidade para dirimir eventuais dúvidas a respeito do mandado de busca e apreensão cumprido na sede do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), na terça-feira passada. Destacou que ainda não teve acesso às investigações, mas que internamente a instituição já adotou as providências necessárias para garantir imparcialidade e transparência na apuração dos fatos.

“Deferi o pedido de afastamento efetuado pelo promotor de Justiça do Gaeco, citado nas investigações e a Corregedoria Geral do Ministério Público também instaurou procedimento para apuração dos fatos. Essas medidas visam assegurar imparcialidade e transparência no decorrer das investigações”, afirmou.


Autor: Jornal da Noticia com Assessoria


Comentários
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Noticia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias