Segunda-Feira, 13 de Julho de 2020

Polícia prende homem suspeito de assassinato em série de 5 mulheres em Mato Grosso




COMPARTILHE

Suspeito de assassinar cinco mulheres, o marceneiro Dino Neves Messias, 38 anos, foi preso no início da noite desta terça-feira (24.02), pela Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), da Polícia Judiciária Civil. As vítimas foram todas mortas em circunstâncias semelhantes e seus corpos encontrados todos, na região do bairro São Matheus, em Várzea Grande, com sinais de asfixia e violência sexual.

O suspeito é considerado um 'serial killer', pela sequencia de assassinatos que está envolvido. Todas as vítimas são mulheres em situação de vulnerabilidade e usuárias de drogas. Ele teve a prisão temporária (30 dias) decretada pelo juiz plantonista Nelson Dorigatti, do Fórum de Várzea Grande.

A última vítima foi localizada na manhã de terça-feira (24) e ainda está sem identificação. O corpo da mulher foi encontrado em um matagal, no bairro São Matheus, nas proximidades da Rodovia dos Imigrantes, com a calcinha abaixada e característica de ter sofrido abuso sexual. O caso é investigado pelo delegado André Renato Gonçalves.

Com a semelhança do crime, os investigadores foram para o local do último crime e encontraram o suspeito na localidade do bairro São Matheus. Segundo a delegada titular da DHPP, Anaide Barros, os policiais investigavam o assassinato da terceira vítima, Marli Mazetto de Jesus,  49 anos, ocorrido em 11 de setembro de 2014. A vítima foi morta por asfixia.

Conforme a delegada, durante o trabalho surgiram informações de populares sobre um 'andarilho' que sumia do bairro, logo após os corpos das vítimas serem encontrados. "Ontem uma pessoa ligou dizendo  que o 'andarilho' estava com uma mochila tentando pegar carona", destacou a delegada.

Ao ser localizado e encaminhado a DHPP, o suspeito confessou ter matado duas mulheres e para a primeira, encontrada na terça-feira, alegou que a vítima lhe devia R$ 70. A outra vítima, Marli Mazetto, contou que era conhecido do marido dela e juntos assassinaram a mulher. Mas o preso, negou o estupro jogando a responsabilidade para o companheiro da vítima.

A primeira morte ocorreu em 18 de julho de 2014. A vítima Lucimar Ferreira da Silva foi encontrada em um matagal no bairro São Matheus. Ela também foi morta por asfixia e apresentava sinais de violência sexual. O corpo estava em estado de decomposição e na ocasião, também sem identificação. O caso é investigado pela delegada Silvia Pauluzi.

A segunda morte aconteceu no dia 7 de setembro de 2014. A vítima é Angelica Nascimento de Souza e seu corpo encontrado no bairro São Matheus, na mesma localidade dos outros assassinato. O assassinato é investigado pela delegada Sílvia Pauluzi.

Quatro dias depois, em 11 de setembro de 2014, ocorreu a morte da terceira vítima, Marli Mazetto de Jesus, cuja investigação é da equipe do delegado Andre Renato Gonçalves.

A quarta vítima ainda não foi identificada e seu corpo encontrado no dia 29 de janeiro de 2015, no bairro São Matheus, em Várzea Grande, da mesma forma das demais vítimas, com roupas íntimas e sinais de violência sexual.

"Foi verificada a semelhança desses outros casos e nesses 30 dias vamos trabalhar a morte dessas mulheres, ocorridas na mesma região, e todas com resquícios de asfixia e violência sexual", finalizou a delegada Anaide Barros.

A prisão do suspeito faz parte da operação “Sicários” da Polícia Judiciária Civil, para conclusão de 200 inquérito de homicídios e latrocínios. A ação integra  o plano operacional da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), para os 100 primeiros dias de combate a criminalidade do ano de 2015.


Autor: Jornal da Noticia com Assessoria


Comentários
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Noticia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias