Terca-Feira, 22 de Outubro de 2019

Cuiabá segue onda nacional de manifestações, Campanha Crueldade Nunca Mais reúne 200




COMPARTILHE

Cuiabá seguiu a onda nacional de manifestações pacíficas neste domingo (22) por leis mais rígidas para a punição a quem maltratar animais. Assim como em outras 23 capitais, na capital mato-grossense as pessoas foram às ruas hoje com cartazes e, claro, levando seus animais de estimação.

A idéia era chamar a atenção da sociedade quanto à necessidade de punir severamente os responsáveis por agir com crueldade contra esses seres que, embora não possam falar, também sofrem de dor e medo – como diz a Associação Voz Animal (AVA) de Mato Grosso.

Cerca de 200 pessoas se reuniram desde as 9h na praça Santos Dumont, no centro de Cuiabá, e fizeram uma panfletagem no semáforo para divulgar a campanha Crueldade Nunca Mais aos motoristas. Também foi realizada uma coleta de dados e contatos para que seja criada uma lei de iniciativa popular que de fato puna a crueldade contra os animais.

Hoje, o crime contra animais é de baixo potencial ofensivo e a pena vai de três meses de prisão a um ano. Para conseguir mudar a legislação, o movimento nacional do qual a AVA faz parte pretende colher 1,5 milhão de assinaturas.

No Brasil, a campanha pega como “gancho” o recente caso de um vídeo, divulgado pela internet, no qual uma mulher de Goiás aparece espancando um cachorro Yorkshire. Embora as cenas sejam chocantes, a própria delegada responsável pelo caso admitiu que a lei dificilmente sujeitaria a agressora a uma punição de fato rígida.


Autor:Olhar Direto


Comentários

Notice: Undefined index: envio in /home/jornalda/public_html/2018/noticia.php on line 212
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Notícia Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Jornal da Noticia

<